sábado, 17 de agosto de 2013



"Eu me desespero e logo ressuscito, eu caio e logo levanto. Não morro de uma única vez. Não desisto. Não me entrego mesmo que não veja a saída. Quando não há porta, eu espero no escuro até ser a porta. A ansiedade que me enerva acaba por aumentar minha vontade de ver de novo a luz. Tenho fúria de viver. Não há perda que seja total. Alguém pode me machucar terrivelmente, mas não me leva."

Nenhum comentário:

Postar um comentário