sábado, 9 de março de 2013


E assim seguimos a nossa estrada: eu e minha esperança. Com a bagagem cheia de nada,e o coração transbordante de um quase tudo. Mas andei dois passos e achei grande demais esse mundo para andarmos sós. Então chamei a menina (aquela que certo dia eu fui), daí nós três demos nossas mãos, e partimos por esse destino que queríamos ter traçado, mas que sei que já tem seus próprios caminhos.


Nenhum comentário:

Postar um comentário