sábado, 9 de fevereiro de 2013


‎"Quando não há música, canto. Quando paro de cantar, como maçãs. Os talos estão jogados pelo quarto, entre os lençóis. Apodrecem como meus sentimentos, jogados na via-láctea. Esfrego a lâmpada, mas o gênio se foi..."

in Quinto fragmento da décima terceira voz - Triângulo das águas

Nenhum comentário:

Postar um comentário