domingo, 17 de fevereiro de 2013


"O amor que enlouquece e permite que se abram intercadências de luz no espírito, para que a saudade rebrilhe na escuridão da demência, é incomparavelmente mais funesto que o amor fulminante."

Nenhum comentário:

Postar um comentário