segunda-feira, 21 de janeiro de 2013


Adeus, meu amor, a vida não nos pretende eternos. O celular permanecerá desligado. Nunca descobriremos ao certo o que nos impediu, quem desistiu primeiro, quem não teve paciência de compreender. Não encontrará vestígios de minha passagem no futuro. Abandonará de repente meu telefone. Na primeira recaída, procurará o número na agenda. Não estava em sua agenda. Não se anota amores na agenda. Na segunda recaída, perguntará o que faço aos conhecidos. As demais recaídas serão como soluços depois de tomar muita água. Adeus, meu amor. Desviará de assunto ao escutar meu nome.  Adeus, meu amor.

Nenhum comentário:

Postar um comentário