sábado, 22 de setembro de 2012



Uma troca de versos troca de palavras misturas ao sentimentalismo de uma mesa de bar. Um olhar se debate contra o outro, mas logo se esconde perante as doses já engolidas e aquelas que estão por vir. Embebendo os olhos de quem tenta por tudo não mais se deparar com aquele olhar que lhe enxerga a alma, mas que se desmancha em sorrisos por estar em uma companhia tão agradável, e os lábios de vermelho sorriem internamente para a própria alma.
Na boca ao invés de um beijo, um gosto ávido de cachaça, da mais simples até a artesanal. Desejos querem mostrar-se... Mas, é perigoso querer. A alma do poeta transborda de palavras não ditas, mas escritas em momentos mais “íntimos”.  Há uma mutua troca de carinhos por meio das palavras, há um arrepio de pele para cada frase lida.
O sentimento do poeta emociona quando escritos, e sempre é escrito, então, sempre emociona. E os lábios se pintam de vermelho para inspirar mais aquele que relembra dos mesmos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário