sábado, 22 de setembro de 2012


‎"(…) Aquilo me desceu azedo, causou incômodo, deu vontade de sumir e correr de medo. Mas eu fico, me mantenho em pé, firme, valente e corajosa, porém um pouco descrente. Como pensar no futuro, tricotar planos, bordar o futuro sem causar danos? Hoje em dia me protejo, de tanto que sofri, tenho medo de um passo em falso me levar para o fundo do poço, do passo, do laço. Só queria um colo pra deitar...E um mar para olhar."

Nenhum comentário:

Postar um comentário