sábado, 19 de novembro de 2011



O que eu sinto, eu não ajo. O que ajo, não penso. O que penso, não sinto. Do que sei, sou ignorante. Do que sinto, não ignoro. Não me entendo e ajo como se me entendesse.

Nenhum comentário:

Postar um comentário